Olhão - Ria Formosa

Férias em Olhão na costa do Sotavento Algarvio no sul de Portugal: Alojamento, restaurantes, porto e mercado de Olhão, parque natural da Ria Formosa, kitesurf e feiras da velharias em Fuseta, excursões de barco, praias e ilhas da Ria Formosa, passeios para ciclistas, tempo, natureza, sal do mar, mariscos,…
Olhão - Ria Formosa
  • Distrito: Faro > Município: Olhão > Freguesia:
  • População: 14.900
  • Distâncias: Faro Aeroporto 16 km, Lisboa Aeroporto 284 km

Olhão é um município no distrito de Faro, no Algarve, a região mais a sul de Portugal continental. A história desta jovem cidade está, até aos nossos dias, estreitamente relacionada com atividades piscatórias.


Olhão localização e accesso

Como chegar até Olhão

Olhão fica situada a leste de Faro, no Sotavento, no assim chamado “Algarve de areia”, na costa do Parque Natural da Ria Formosa, cuja extensa zona lagunar caracteriza a paisagem. Um cordão de pequenas ilhas e penínsulas protege a ria da agitação marítima do oceano Atlântico.

Olhão fica diretamente à Estrada Nacional 125, o eixo viário central do Algarve que leva de leste a oeste. A saída 15 da autoestrada A22 leva à cidade em quinze minutos com bom acesso rodoviário.

A estação de comboio da Linha do Algarve, uma linha ferroviária de via única, encontra-se convenientemente situado na cidade, tal como o terminal rodoviário da empresa EVA Transportes.

À Ilha da Armona, que faz parte do concelho, chega-se apenas de barco. Todo o abastecimento e a gestão dos resíduos desta ilha habitada têm de ser efetuados através da ligação marítima a partir do porto de Olhão.


Olhão desporto e lazer

Atividades em Olhão

Nas ilhas barreira da Ria Formosa, nomeadamente na Ilha da Armona e na Ilha da Culatra, encontram-se as praias mais populares. Barcos e táxis aquáticos asseguram o transporte a partir do cais de Olhão. Entretanto, a praia mais bela da lagoa fica na Ilha da Fuseta, a poucos quilómetros a leste de Olhão.

No porto de Olhão encontram-se inúmeros ofertas para excursões no espaço lagunar e insular da Ria Formosa com a sua riquíssima flora e fauna. Biólogos locais propõem visitas guiadas para a observação da avifauna única desta região. Descubra-se o ecossistema e os seus habitantes mais tímidos: os camaleões.

Na saída leste de Olhão fica o Centro de Educação Ambiental de Marim (CEAM), onde se pode aprender muita coisa interessante sobre o ambiente e o valor ecológico e económico do espaço natural da Ria Formosa.

Uma aventura muito especial é um voo panorâmico sobre a Ria Formosa, a bordo de um avião ultraleve com o nosso amigo George, que já há muitos anos se dedica a este passatempo.

Quem prefere jogar golfe, vai encontrar os campos mais próximos a leste, perto de Tavira, ou no assim chamado „Triângulo Dourado“, formado pela Quinta do Lago, o Vale do Lobo e Vilamoura. Chega-se a qualquer um deles em cerca de 30 minutos de carro.


Olhão compras e gastronomia

Fazer compras e comer em Olhão

O mercado de Olhão é conhecido como um dos melhores lugares no Algarve para comprar peixe e marisco frescos em grande variedade. Vendem-se também produtos agrícolas locais.

Não perca uma visita à Feira de Velharias da Fuseta que tem lugar no segundo domingo de cada mês. Esta feira, no centro da cidade, perto do parque de campismo e da marginal, consta como a maior do seu género no Algarve e adquiriu grande popularidade.

Nas lagoas da Ria Formosa existe uma marcante aquacultura de mexilhões e ostras. Há ameijoas que não podem faltar em nenhuma ementa dos restaurantes locais. E as ostras ao vapor, grelhados no carvão em suco próprio, são uma delicadeza que em parte alguma se encontra mais fresca do que aqui.

Na margem da Ria Formosa, no Jardim Pescador Olhanense, perto do mercado, todos os anos durante uma semana em meados de Agosto decorre o Festival do Marisco. Todas as noites, milhares de olhanenses e turistas de todo o mundo saboreiam os pratos de marisco, feitos na maior variedade de preparações. Para acompanhar, há música ao vivo no palco grande.


Nos arredores de Olhão

Nos arredores de Olhão: Moncarapacho e a Ria Formosa

Perto de Olhão existem alguns hotéis modernos. A própria cidade não ficou afetada dos pecados arquitetónicos que se veem nos centros turísticos do Barlavento. Terra adentro ficam alguns hotéis e aldeamentos rurais pequenos e bonitos, tal como o Vila Monte Resort perto de Moncarapacho. As casas representativas de hóspedes e as suites são inseridos num jardim de 87.000 m2 com belíssima vegetação arbórea velha que faz parte da antiga quinta dum artista alemão (Adolfo da Quinta).

Em todo o caso, Moncarapacho vale uma visita. O património mobiliário antigo desta localidade no interior tem sido largamente preservado. Com marcação prévia, é possível visitar um olival com o antigo lagar de azeite e vegetação arbórea ancestral.

Nas terras férteis dos arredores de Moncarapacho e da localidade vizinha de Quelfes encontram-se algumas das melhores empresas de jardinagem e viveiros do Sotavento com uma vasta escolha de plantas ornamentais e hortícolas.

Além da aquacultura, outro ramo económico importante para a Ria Formosa é a extração de sal pela evaporação da água do mar. A flor de sal é o ouro branco do Algarve; a colheita deste aglomerado muito fino de cristais que se forma à superfície da água do mar, é feita manualmente, desde há dois mil anos e até aos nossos dias.


História de Olhão

A história de Olhão está, até aos nossos dias, estreitamente relacionada com atividades piscatórias.

A primeira referência literária à localidade data de 1378, se bem que vestígios de culturas do Mediterrâneo desde tempos pré-históricos sejam conhecidos em todo o Algarve e também na região de Olhão.

A partir do século XVII, pescadores construíram as suas cabanas na região de Olhão para usufruir dos abundantes recursos de pesca. A população da região cresceu rapidamente e depois de 1695 surgiu a paróquia da Nossa Senhora do Rosário de Olhão como resultado de uma separação de Quelfes.

Apenas em finais do século XVIII surgiram as primeiras casas de pedra. O estilo de construção característica de Olhão é uma adaptação da arquitetura árabe do norte da África: Casas cúbicas com telhado plano. Em caso de necessidade de mais espaço habitacional, constrói-se um cubo mais pequeno em cima do já existente.

Em 1765, o Rei D. Pedro I tomou uma decisão importante: Pelo Compromisso Marítimo de Olhão foram concedidos a Olhão os mesmos direitos sobre as pescas como à capital do Algarve, Faro. O Edifício do Compromisso Marítimo de Olhão, antigamente sede da confraria dos mareantes e mais tarde a Casa dos Pescadores, alberga hoje o Museu da Cidade. A grandeza e beleza do prédio sublinham a cultura, imagem e autoestima dos Olhanenses.

A revolta contra a ocupação das tropas francesas de Napoleão iniciou-se em Olhão em 1808. O espírito espalhou-se e ainda no mesmo ano, os portugueses conseguiram expulsar os franceses. Por conseguinte, a localidade recebeu o título de honra Olhão da Restauração e foi elevada a Vila. Antes disso, alguns pescadores corajosos de Olhão embarcaram num pequeno caíque para viajar até ao Brasil e divulgar a boa notícia ao regente D. João VI no seu exílio. Uma réplica do caíque 'Bom Sucesso', encontra-se atracada na marginal.

Alguns prédios no centro da cidade ainda hoje dão uma ideia da riqueza e do florescimento económico que a atividade pesqueira e a indústria conserveira proporcionaram à cidade. Ainda no século passado, no porto de Olhão existiram até 80 unidades conserveiras. Nesta posição economicamente forte, Olhão foi elevado à cidade em 1985. Mas quando os alimentos congelados ganharam cada vez mais fama e conquistaram uma posição dominante no mercado, a indústria pesqueira sofreu um forte declínio económico, em Olhão como em outras cidades do Algarve. Nos últimos anos e até certo ponto, o turismo conseguiu travar este desenvolvimento.


Olhão Tempo

Os actuais condições do tempo e as previsões meteorológicas para Olhão na Ria Formosa

As mais actuais condições do tempo e as previsões meteorológicas para a Ria Formos perto de Olhão: Temperatura, nebulosidade, humidade, precipitação, ondulação, pressão, velocidade e direcção do vento, classificação para surfistas:

 


Concelho de Olhão

As freguesias de Moncarapacho e Fuseta, Olhão, Pechão e Quelfes pertencem ao concelho de Olhão. Também a Ilha da Armona faz parte do mesmo. Em 2011, aqui viveram acima de 45 mil habitantes, o que corresponde a um crescimento populacional de 10% em comparação com 2001.


Alojamentos Perto
Real Marina Hotel & Spa Real Marina Hotel & Spa
Tempo Olhão
As nossas Recomendações
Publicidade